Os benefícios do chá verde e seus riscos: tudo que você precisa saber

Gosta de chá verde? Já experimentou?
O chá verde é feito com as folhas da camelia sinensis, o mesmo chá com que é feito o chá preto comum e o chá oolong. O preto e o oolong são fermentados; o verde não, é a folha sem processamento (a fermentação é um processamento natural).
A maior parte de suas propriedades se devem a cafeína e polifenóis (polifenóis estão presentes em muitas plantas, como café e cacau, e são ricos em antioxidantes). Alguns efeitos adversos provocados por sua ingestão em excesso se devem aos efeitos da cafeína.

Em grávidas não se recomenda mais do que 2 xícaras por dia, pelos efeitos adversos da cafeína bem como por reduzir a absorção de ácido fólico, que é muito importante no primeiro trimestre de gravidez. Mas doses menores são seguras.

Na lactação devem ser  evitadas quantidades maiores, pois a cafeína passa pelo leite materno e pode atuar sobre o lactente.

Tem ação benéfica estabelecida no tratamento local de papilomavírus como o hpv genital e as verrugas de pele, na displasia de colo de útero,pomadas ou cremes, com boa segurança nas doses e preparações adequadas.
Há fortes indícios de benefícios em dislipidemias na forma de uso oral.
Na forma de chá após as refeições pode reduzir um pouco a absorção de ferro pelos intestinos, e por isto é útil na hemocromatose.

Há indícios razoáveis de benefícios em câncer de endométrio e ovário. Mas também em oclusões arteriais agudas especialmente no sexo masculino, doença de Parkinson e leucoplasias orais, todas doenças do espectro autoimune.

Existem popularmente muitas outras indicações, porém as evidências são controversas ou ainda não bem estabelecidas.

É seguro na forma de chás em quantidades moderadas. O uso concentrado (extratos) deve ser feito sob supervisão médica, mas parece ser seguro quando tomado por até 2 anos. Em alguns, entretanto, pode provocar irritação gástrica e constipação. Em casos raros foram relatados danos hepáticos e renais.

Podem ocorrer interações com medicamentos e, neste caso, é bom avaliar com seu médico.

É uma delícia, experimente!

 

O que é Fitoterapia

A Fitoterapia é a prática médica mais antiga. A palavra vem do grego phyton, planta ou vegetal, e therapeia,  que é tratamento. Portanto, é o estudo das propriedades das plantas e seu uso no tratamento de doenças.

Seu uso remonta aos primórdios da civilização e há relatos de seu uso em todos os povos e localizações. Existe o uso popular, preservado nas mais diversas culturas, bem como o termo medicamento fitoterápico, no qual se trata de preparações elaboradas com técnicas farmacêuticas, podendo ser manipulada artesanalmente ou de maneira industrial.

A fitoterapia é uma fonte inesgotável de novos remédios, visto que muitos mecanismos de ação das plantas são desconhecidos. Os componentes químicos isolados de cada planta com propriedades curativas são denominados princípio ativo e podem ser usados isoladamente, ou em conjunto.

As plantas são utilizadas também na Homeopatia e neste caso, com a técnica de preparo própria da Homeopatia.

No senso comum plantas e alimentos podem ser considerados positivos ou negativos (nocivos). Entretanto, esta é uma visão muito simplista. Muitos alimentos e plantas podem ter componentes positivos e outros negativos, em proporções e mecanismos diferentes, e mais do que isto, o que depende da suscetibilidade individual de quem usa ou ingere. Ou seja, nossas reações individuais ou pessoais são próprias. Isto depende da interação entre a substância, no caso a planta, o preparo, o organismo da pessoa que ingere e sua bagagem genética, que será acionada de maneira diversa conforme a situação e a planta.

Mas como pode uma planta como o trigo ser nociva? Isto se deve a mecanismos da evolução, pois como todo ser vivo, o propósito de cada planta é perpetuar sua espécie. Deste modo, o trigo, que utilizamos, é a semente deste cereal moída. Dentro desta semente encontramos substâncias químicas que evoluíram para defendê-lo de insetos, fungos e outros predadores. Assim, tem lectinas que provocam reações imunológicas e dano em nossos intestinos, bem como inibidores das proteases que reduzem a absorção das proteínas em nosso intestino, outras substâncias quelam (roubam) nutrientes do bolo alimentar e se grudam em substâncias ativas do trigo e os levam consigo (iodo, vitamina d, ferro e outros). Sem falar na proteína glúten, já tão divulgada.

Além disto, a concentração de cada princípio ativo ou seu conjunto permite ações diferentes. Junte-se a isto a possibilidade de contaminação por pesticidas, metais ou fungos.

Aqui você compreenderá e terá conhecimento do poder medicinal das plantas, bem como seus usos e efeitos.