Os benefícios do chá verde e seus riscos: tudo que você precisa saber

Gosta de chá verde? Já experimentou?
O chá verde é feito com as folhas da camelia sinensis, o mesmo chá com que é feito o chá preto comum e o chá oolong. O preto e o oolong são fermentados; o verde não, é a folha sem processamento (a fermentação é um processamento natural).
A maior parte de suas propriedades se devem a cafeína e polifenóis (polifenóis estão presentes em muitas plantas, como café e cacau, e são ricos em antioxidantes). Alguns efeitos adversos provocados por sua ingestão em excesso se devem aos efeitos da cafeína.

Em grávidas não se recomenda mais do que 2 xícaras por dia, pelos efeitos adversos da cafeína bem como por reduzir a absorção de ácido fólico, que é muito importante no primeiro trimestre de gravidez. Mas doses menores são seguras.

Na lactação devem ser  evitadas quantidades maiores, pois a cafeína passa pelo leite materno e pode atuar sobre o lactente.

Tem ação benéfica estabelecida no tratamento local de papilomavírus como o hpv genital e as verrugas de pele, na displasia de colo de útero,pomadas ou cremes, com boa segurança nas doses e preparações adequadas.
Há fortes indícios de benefícios em dislipidemias na forma de uso oral.
Na forma de chá após as refeições pode reduzir um pouco a absorção de ferro pelos intestinos, e por isto é útil na hemocromatose.

Há indícios razoáveis de benefícios em câncer de endométrio e ovário. Mas também em oclusões arteriais agudas especialmente no sexo masculino, doença de Parkinson e leucoplasias orais, todas doenças do espectro autoimune.

Existem popularmente muitas outras indicações, porém as evidências são controversas ou ainda não bem estabelecidas.

É seguro na forma de chás em quantidades moderadas. O uso concentrado (extratos) deve ser feito sob supervisão médica, mas parece ser seguro quando tomado por até 2 anos. Em alguns, entretanto, pode provocar irritação gástrica e constipação. Em casos raros foram relatados danos hepáticos e renais.

Podem ocorrer interações com medicamentos e, neste caso, é bom avaliar com seu médico.

É uma delícia, experimente!

 

Vitamina k2: valiosa e pouco conhecida

A vitamina k2 é uma vitamina lipossolúvel, junto com a vitamina d3 e a vitamina A. São denominadas vitaminas e são muito mais semelhantes aos hormônios esteroides.

Resumidamente, ela está relacionada com a saúde óssea (melhorando a densidade óssea, como a vitamina d3, a exposição ao sol e o magnésio), vascular(reduzindo a deposição de cálcio nas artérias, o qual prejudica a saúde arterial) e impede a formação de coágulos e trombos. (Disease Prevention, Life Extension, kindle ed. 5ª ed, 6943).

Também evita a queda de dentes, amplia a proporção dos ossos da face, reduz as deformidades e apinhamentos dentários, como observou Weston Price há mais de 60 anos.

Melhora também a reprodução humana, ajuda no desenvolvimento (cognitivo e mental) e junto com as vitaminas d3 e A, que regulam a produção de proteínas, as quais são ativadas pela k2, mecanismo este que explica seu papel na prevenção de leucemias e outros tipos de câncer (Disease Prevention, posição 36295).

A fundação Weston Price sugere a fonte nutricional e eu endosso esta posição, ao invés da suplementação farmacêutica.

Fontes de vitamina k2.

Segundo os estudos as maiores fontes são de produtos com gordura de animais criados naturalmente, e em ordem decrescente de quantidade de k2 temos: gordura de ema, gordura de pato, gema de ovo, manteiga de garrafa (ou ghee), banha de porco, creme de leite, manteiga, nata, sebo, fígado de galinha e queijos.  Uma fonte muito rica é o Natto.

Não sabemos ao certo quanto precisamos das fontes de vitamina k2, mas os estudos ressaltam que é muito comum a sua deficiência, principalmente em crianças. Deste modo, recomendamos usá-las (estas gorduras) rotineiramente na alimentação.