Diabetes em homens e testosterona baixa.

Diabetes mellitus (DM) é a doença crônica característica dentre as que denominamos metabólicas. É uma importante causa de doença e morte. Estimativas globais indicam que 382 milhões de pessoas vivem com DM (8,3%), e esse número poderá chegar a 592 milhões em 20351. Acredita-se, ainda, que aproximadamente 50,0% dos diabéticos desconhecem que têm a doença2. Quanto à mortalidade, estima-se que 5,1 milhões de pessoas com idade entre 20 e 79 anos morreram em decorrência do diabetes em 20133. (leia aqui). Em homens é uma das principais causas de disfunção erétil e impotência sexual. Além disto, quando não revertida é causa significativa de insuficiência renal crônica, cegueira e cardiopatia e acidentes encefálicos (derrames).

Nota: preferimos o termo reversão de doenças crônicas do que simplesmente controle, porque consideramos que existe espaço para reversão de muitas doenças crônicas quando apropriadamente tratadas.

Em homens níveis baixos de testosterona tem um papel fundamental e pouco conhecido como desencadeante de diabetes tipo 2.

A testosterona afeta as vias da insulina de diversas maneiras, e aqui apresento quatro surpreendentes maneiras de como a testosterona o faz:

  1. A testosterona pode agir sobre a produção de insulina nas células beta do pâncreas.
  2. Atuando sobre a sensibilidade à insulina nos receptores globais.
  3. Agindo diretamente sobre os receptores glut que ajudam no transporte da glicose do sangue para dentro das células.
  4. Ajuda a reduzir a porcentagem de gordura e aumentar a massa magra (e o músculo aumenta o consumo de glicose, ajudando a reduzir os níveis do sangue).

RECAPITULANDO:

  1. Comer gorduras saudáveis ajuda a controlar a doença.
  2. Garanta níveis adequados de vitamina d (lembre, não é acima de 30, isto não garante saúde, tenha valores acima de 60)!
  3. Tenha NÍVEIS ÓTIMOS DE TESTOSTERONA!

E por fim:

MODOS DE VIDA TEM ENORME IMPACTO SOBRE SUA SAÚDE.

AVALIAÇÃO MÉDICA DE QUALIDADE e USO DE PARÂMETROS QUE OTIMIZEM A SAÚDE SÃO FUNDAMENTAIS.

Estamos seguros que podemos reverter a epidemia de doenças crônicas que temos atualmente.

Se gostou, compartilhe!

Vitamina k2: valiosa e pouco conhecida

A vitamina k2 é uma vitamina lipossolúvel, junto com a vitamina d3 e a vitamina A. São denominadas vitaminas e são muito mais semelhantes aos hormônios esteroides.

Resumidamente, ela está relacionada com a saúde óssea (melhorando a densidade óssea, como a vitamina d3, a exposição ao sol e o magnésio), vascular(reduzindo a deposição de cálcio nas artérias, o qual prejudica a saúde arterial) e impede a formação de coágulos e trombos. (Disease Prevention, Life Extension, kindle ed. 5ª ed, 6943).

Também evita a queda de dentes, amplia a proporção dos ossos da face, reduz as deformidades e apinhamentos dentários, como observou Weston Price há mais de 60 anos.

Melhora também a reprodução humana, ajuda no desenvolvimento (cognitivo e mental) e junto com as vitaminas d3 e A, que regulam a produção de proteínas, as quais são ativadas pela k2, mecanismo este que explica seu papel na prevenção de leucemias e outros tipos de câncer (Disease Prevention, posição 36295).

A fundação Weston Price sugere a fonte nutricional e eu endosso esta posição, ao invés da suplementação farmacêutica.

Fontes de vitamina k2.

Segundo os estudos as maiores fontes são de produtos com gordura de animais criados naturalmente, e em ordem decrescente de quantidade de k2 temos: gordura de ema, gordura de pato, gema de ovo, manteiga de garrafa (ou ghee), banha de porco, creme de leite, manteiga, nata, sebo, fígado de galinha e queijos.  Uma fonte muito rica é o Natto.

Não sabemos ao certo quanto precisamos das fontes de vitamina k2, mas os estudos ressaltam que é muito comum a sua deficiência, principalmente em crianças. Deste modo, recomendamos usá-las (estas gorduras) rotineiramente na alimentação.